Formação

 

COMUNICAÇÃO E AÇÃO PASTORAL EM FAVOR DA FAMÍLIA

03/11/2017

No sexto capítulo da Amoris Laetitia( nn.199-258), o Papa Francisco reflete sobre as ações pastorais da Igreja em favor da família , destacando a preparação dos noivos ,recordando toda a riqueza da atuação pastoral remota acentuada pela Familiaris Consortio de São João Paulo II, a formação das crianças ,adolescentes e jovens para o sentido profundo e responsável do matrimônio e da família,a preparação próxima, o cuidado para com a celebração , a assistência e apoio psicológico e espiritual dos casais mais experientes aos mais novos nos primeiros anos de vida matrimonial,com verdadeiros plantões e consultórios de acompanhamento da Pastoral familiar; o planejamento familiar , o suporte às crises da vida conjugal também por uma estrutura pastoral organizada, fazendo a mediação dos conflitos e sustentando a perseverança dos casais. E conclui com as situações que chama de "complexas", como a homoafetividade, os casos de nulidade e a morte. Em todas estas situações deve haver um abraço acolhedor de misericórdia, compreendendo a pessoa humana e iluminando-a para um caminho de santificação, amparo e aperfeiçoamento espiritual a partir da proposta cristã. O que o Papa chama de progressividade pedagógica e pastoral.


Logo, no capítulo seguinte,reflete Francisco sobre a educação dos filhos , especialmente a moral,afetiva, sexual e religiosa . Relembra que os pais são os primeiros formadores na Fé e na vida religiosa, sendo a família a Igreja doméstica e a primeira escola de virtudes humanas e cristãs.Alerta para o uso da internet, a educação para uma visão crítica e ética conforme os valores e os princípios do equilíbrio, na liberdade com a responsabilidade, exercendo também a correção no amor ( nn. 259-290).


Trata ainda, no capítulo oitavo, sobre as situações chamadas de "irregularidades" no matrimônio (nn. 291-312) como o divórcio e o recasamento.Lembra que os casais em tal situação não estão excomungados da Igreja. Ao contrário, devem participar dela ( n.243) .Mostra que muitas realidades devem ser analisadas caso a caso, levando em consideração as injustiças, dores e sofrimentos das pessoas que vivenciam estas experiências, não se devendo tratar de forma generalizada todos os casos,evitando-se os julgamentos Deve haver sobretudo a acolhida na misericórdia e o engajamento na vida e espiritualidade eclesial, com retiros , encontros, formações e atividades pastorais. Reafirma as normas da Igreja, sem absolutizá-las e conclui de forma iluminadora: "Compreendo aqueles que preferem uma pastoral mais rígida que não dê lugar a confusão alguma, mas creio sinceramente que Jesus Cristo quer uma Igreja atenta ao bem que o Espírito derrama no meio da fragilidade"(n. 308).


Reflete o Pastor maior, no último capítulo, sobre a espiritualidade do casal e da família(nn. 313-325) , destacando que a presença do Senhor habita na comunidade familiar real e concreta, com todos os seus sofrimentos , lutas, alegrias e propósitos diários. O Papa apresenta o seu entusiasmo pela "alegria do Amor" : "...apesar das muitas dificuldades"(n. 1) , é preciso ir em frente , contando sempre com Cristo(n. 325). Ressalta a oração em família ,a presença de Cristo no outro, no pacto de amor conjugal (n. 319). E enfatiza : " A vida em casal é uma uma participação na obra fecunda de Deus e cada um é para o outro um permanente provocação do Espírito"(n.321).


Destacam-se , ainda,dentre outros temas , a valorização do fim unitivo do matrimônio(n. 36),a não equiparação das uniões de fato ou entre pessoas do mesmo sexo ao matrimônio(n.52) , a santidade da união sexual (n. 74), a fidelidade na falta de atração(n. 231) , as separações inevitáveis (n. 24), , a simplificação para a verificação de nulidade de casamento( n. 244).


Nos diversos ângulos da vida familiar e da edificação da pessoa humana, do casal e da Igreja, a Exortação Apostólica Amoris Laetitia se apresenta como uma abençoada enciclopédia teológica, afetiva e pastoral, refletindo a maternidade e a paternidade eclesial, no serviço de acolhida, compreensão, acompanhamento, cooperação, amparo, auxílio,conversão, direcionamento,iluminação, evangelização, santificação e salvação de cada filho, o mais perdido, o mais afastado, o mais equivocado, esmagado, desfigurado ou destruído, com todas as graças abundantes e regeneradoras da Misericórdia do Bom Pastor.




Pe Luiz Cláudio Azevedo de Mendonça


Pároco de São José do Ribeirão - Bom Jardim
Assessor Eclesiástico da Pastoral da Comunicação da Diocese de Nova Friburgo
Assessor Eclesiástico da Pastoral da Familiar da Diocese de Nova Friburgo